Reforma tributária ainda pune o consumo e privilegia a propriedade, dizem advogados